O Projeto de Pesquisa

NORMAS PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO

Veja também: Sugestões de Temas

Veja também: Como começar a Investigação Científica?

Veja também: Procedimentos Iniciais para a elaboração do trabalho acadêmico.

Veja também: Como elaborar seu próprio trabalho acadêmico: (monografias, dissertação, teses, tcc´s, etc.)

Veja também: Como formatar seu próprio trabalho acadêmico: (monografias, dissertação, teses, tcc´s, etc.)

Baixar: modelo de projeto

 

A pesquisa é a forma mais segura e aperfeiçoada de busca do conhecimento e solução de problemas. Contudo sua realização depende da elaboração de um projeto, que é o documento necessário para mapear, de forma sistemática, um caminho a seguir durante a investigação, evitando que o pesquisador despenda tempo e recursos desnecessários ao fim que se estabeleceu. Não existe regra formalizada com relação aos elementos que compõem um projeto de pesquisa. Todavia podemos apontar, sumariamente, o modelo que segue.

1 - Considerações sobre a delimitação do tema e formulação do problema

a) tema: na sua escolha, o acadêmico deve dimensionar o interesse que tem pelo assunto; avaliar se possui qualificação (intelectual) para submetê-lo a uma investigação; verificar se existe bibliografia especializada suficiente para sua fundamentação. O tema deverá indicar, sob forma de enunciado, os aspectos que serão investigados na pesquisa;

b) delimitação do tema e formulação do problema: delimitar é indicar a abrangência do estudo, ou seja, é estabelecer os limites extensionais e conceituais do tema em questão. Enquanto princípio de logicidade, é importante salientar que, quanto maior a extensão conceitual, menor a compreensão conceitual e, inversamente, quanto menor a extensão conceitual, maior a compreensão conceitual. Para que fique clara e precisa a extensão conceitual do assunto, é importante situá-lo em sua respectiva área de conhecimento, possibilitando, assim, que se visualize a especificidade do objeto no contexto de sua área temática.

2. Delimitado o tema, o passo seguinte é a sua problematização. Gil (1995, p. 57-58) aponta cinco “regras” para a adequada formulação do problema. São elas:

a) o problema deve ser formulado como uma pergunta;

b) o problema deve ser delimitado a uma dimensão viável;

c) o problema deve ter clareza;

d) o problema deve ser preciso;

e) o problema deve apresentar referências empíricas.

 

3. As regras não são absolutamente rígidas e devem ser moldadas à especificidade do problema.

É importante, também, lembrar que cada orientador possui uma forma própria de problematizar as questões de pesquisa;

f) justificativa: a justificativa situa a importância do estudo e os porquês da realização da pesquisa.

O texto da justificativa, em geral, deve apresentar os motivos que levaram à investigação do problema e endereçar a discussão à relevância teórica e prática, social e científica do assunto;

g) objetivos: os objetivos indicam as ações que serão desenvolvidas para a resolução do problema de pesquisa.

O objetivo geral é apresentado na forma de um enunciado que reúne, ao mesmo tempo, todos os objetivos específicos. Os objetivos específicos informam sobre as ações particulares que dizem respeito à análise teórica e aos meios técnicos de investigação do problema;

h) hipótese(s): consiste em apresentar um ou mais enunciados, sob forma de sentença declarativa e que resolve (em) provisoriamente o problema. A pesquisa tratará de buscar respostas que refutam ou corroboram as suposições que forem apresentadas. Dependendo da natureza do problema e da forma de o orientador trabalhar, este item pode ser opcional;

i) definição dos conceitos operacionais: consiste em apresentar o significado que os termos do problema assumem na pesquisa. Através das definições, diz Köche (1997, p. 117), [...]“é possível estabelecer os indicadores que podem ser utilizados para categorizar as variáveis”. É importante salientar que não será possível estabelecer instrumentos e procedimentos para coleta de dados, se os indicadores das variáveis não estiverem previamente definidos.

 

4 - Referencial teórico O referencial teórico também pode ser chamado de revisão de literatura, pressupostos teóricos, marco teórico, etc.

Esta etapa do projeto é importante, porque apresenta uma breve discussão teórica do problema, na perspectiva de fundamentá-lo nas teorias existentes. As idéias apresentadas no texto devem estar organicamente ligadas com os objetivos, hipóteses, definição conceitual e operacional das variáveis e outras partes do projeto. A fundamentação teórica apresentada deve, ainda, servir de base para a análise e interpretação dos dados coletados na fase de elaboração do relatório final. Os dados apresentados devem, necessariamente, ser interpretados à luz das teorias existentes.

 

5 - Delineamento da pesquisa: O delineamento da pesquisa, segundo Gil (1995, p. 70), “refere-se ao planejamento da mesma em sua dimensão mais ampla”, ou seja, neste momento o investigador estabelece os meios técnicos da investigação prevendo-se os instrumentos e procedimentos necessários utilizados para a coleta de dados.

O delineamento da pesquisa, em geral, apresenta os seguintes elementos:

a) tipo de pesquisa: consiste em informar qual o desenho que a pesquisa terá, ou seja, se a pesquisa será bibliográfica, ou descritiva, ou experimental, ou estudo de caso, ou documental, etc. É necessário, então, que o investigador justifique o tipo de pesquisa que escolheu e apresente, de imediato, seu conceito;

b) população/amostra: indica se a pesquisa vai abranger o universo populacional da realidade pesquisada ou se apenas uma amostra. No caso de se optar por uma ou por outra, é necessário informar os procedimentos e/ou critérios adotados para a sua execução. Informam-se também, características gerais da população a ser investigada (cidade, município, bairro);

c) instrumentos utilizados para coleta de dados: consistem em indicar o tipo de instrumento utilizado para registro dos dados que serão coletados. No caso de questionários ou entrevistas deve se apresentar o modelo em anexo;

d) procedimentos utilizados na coleta de dados: informam-se as operações que serão executadas no momento da coleta de dados;

e) procedimentos para análise e interpretação de dados: indicam-se os recursos que serão utilizados para a análise dos dados. Se forem estatísticos, devem ser informados os tipos de gráficos, quadros ou tabelas;

f) cronograma: previsão das atividades e, respectivamente, período (dia ou mês) de execução;

g) referências: relação das obras utilizadas para a fundamentação do problema de pesquisa.

 A Associação Brasileira de Normas Técnicas (2000) deverá ser consultada para que os elementos que identificam a referência (livros, periódicos, etc.) sejam apresentados corretamente.

 

6. Definindo o tema e título (o quê?)

O tema é o assunto que se deseja provar ou desenvolver. Pode surgir de uma dificuldade prática enfrentada pelo coordenador, da sua curiosidade científica, de desafios encontrados na leitura de outros trabalhos ou da própria teoria. Pode ter surgido pela entidade responsável, portanto, “encomendado”, o que, no entanto não lhe tira o caráter científico. Independente de sua origem, o tema é, nessa fase, necessariamente ampla, precisando bem o assunto geral sobre o qual se deseja realizar a pesquisa. Do tema é feita a delimitação que deve ser dotada de um sujeito e um objeto. Já o título, acompanhado ou não por subtítulo, difere do tema. Enquanto este último sofre um processo de delimitação e especificação, para torná-lo viável à realização da pesquisa, o título sintetiza o conteúdo da mesma.

 

7. Objetivos (Para quê?) Atenção! Os objetivos devem ser sempre expressos em verbos de ação Geral Está ligado a uma visão global e abrangente do tema. Relaciona-se com o conteúdo intrínseco, quer dos fenômenos e eventos, quer das idéias estudadas. Vincula-se diretamente à própria significação da tese proposta pelo projeto. Deve iniciar com um verbo de ação. Específicos Apresentam caráter mais concreto. Têm função intermediária e instrumental, permitindo de um lado, atingir o objetivo geral e, de outro, aplicar este a situações particulares. Exemplo de objetivo geral: Desenvolver um modelo científico de estúdio de produção em rádio, para ser utilizado como referencial básico para novas implantações e a readequação dos existentes em cursos de comunicação social, em instituições de ensino superior, visando a melhoria e otimização da organização do trabalho e usabilidade do sistema à aprendizagem.

Exemplos de objetivos específicos:

a) formular, a partir de um estudo analítico, um referencial teórico-prático sobre as características estruturais, funcionais, morfológicas, diacrônicas e sincrônicas dos estúdios, principal e de gravações, utilizados por emissoras de radiodifusão profissionais;

b) desenvolver uma metodologia aplicada à implantação de estúdios de produção em rádio em cursos de comunicação social;

 

Exemplos aplicáveis a objetivos:

a) quando a pesquisa tem o objetivo de conhecer: Apontar, citar, classificar, conhecer, definir, descrever, identificar, reconhecer, relatar;

b) quando a pesquisa tem o objetivo de compreender: Compreender, concluir, deduzir, demonstrar, determinar, diferenciar, discutir, interpretar, localizar, reafirmar;

c) quando a pesquisa tem o objetivo de aplicar: Desenvolver, empregar, estruturar, operar, organizar, praticar, selecionar, traçar, otimizar, melhorar;

d) quando a pesquisa tem o objetivo de analisar: Comparar, criticar, debater, diferenciar, discriminar, examinar, investigar, provar, ensaiar, medir, testar, monitorar, experimentar;

e) quando a pesquisa tem o objetivo de sintetizar: Compor, construir, documentar, especificar, esquematizar, formular, produzir, propor, reunir, sintetizar;

f) quando a pesquisa tem o objetivo de avaliar: Argumentar, avaliar, contrastar, decidir, escolher, estimar, julgar, medir, selecionar.

 

Com essas ferramentas, você está pronto para sintetizar sua idéia para o projeto ou  a monografia/dissertação/tese.


Deixe seu comentário abaixo: