PUBLICIDADE

COMO ELABORAR - pAPER

Veja tamb�m: Sugest�es de Temas
Veja tamb�m: Como come�ar a Investiga��o Cient�fica?
Veja tamb�m: Procedimentos Iniciais para a elabora��o do trabalho acad�mico
Veja tamb�m: Como elaborar seu pr�prio trabalho acad�mico: (monografias, disserta��o, teses, tcc�s, etc.)
Veja tamb�m: Como formatar seu pr�prio trabalho acad�mico: (monografias, disserta��o, teses, tcc�s, etc.)

Baixar: modelo de paper


O paper caracteriza-se principalmente pela originalidade, ou seja, as reflex�es devem ser mesmo do autor do paper. Segundo Medeiros (1997, p. 186), [...] �se o autor apenas compilou informa��es sem fazer avalia��es ou interpreta��es sobre elas, o produto do seu trabalho ser� um relat�rio e n�o um paper�.
Espera-se de quem o escreve uma avalia��o e/ou interpreta��o dos fatos ou das informa��es que foram recolhidas, ou seja, o desenvolvimento sint�tico de um ponto de vista acerca de um tema, de uma realidade observada, de um texto, uma tomada de posi��o definida e a express�o dos conhecimentos de forma original. Para elucidar melhor o conceito de paper, vale lembrar o que ele n�o �:
 
O paper n�o �:
a) um resumo de um artigo ou livro (ou outra fonte);
b) id�ias de outras pessoas, repetidas n�o criticamente;
c) uma s�rie de cita��es, n�o importa se habilmente postas juntas;
d) opini�o pessoal n�o evidenciada, n�o demonstrada;
e) c�pia do trabalho de outra pessoa sem reconhec�-la, quer o trabalho seja ou n�o publicado, profissional ou amador: isto � pl�gio (ROTH apud MEDEIROS, 1997, p. 187).
 
Estrutura do paper:
a) capa;
b) folha de rosto;
c) sum�rio;
d) introdu��o (1� par�grafo): objetivo, delimita��o;
e) desenvolvimento: posicionamento, avalia��o, reflex�o. do autor do paper em rela��o ao texto/realidade/tema; f) conclus�o (�ltimo par�grafo): s�ntese concisa das principais id�ias defendidas no desenvolvimento do trabalho; g) refer�ncias.
 
1.1 - Paper � comunica��o cient�fica
A comunica��o cient�fica define-se como a informa��o que se apresenta em congressos, simp�sios, reuni�es, academias, sociedades cient�ficas. Em tais encontros, os trabalhos realizados s�o expostos em tempo reduzido. A finalidade do paper tipo comunica��o cient�fica � fazer conhecida a descoberta e os resultados alcan�ados com a pesquisa, podendo fazer parte de anais.
Em geral, as comunica��es cient�ficas n�o permitem a reprodu��o total da experi�ncia realizada e levam em considera��o os seguintes elementos: finalidade, informa��es, estrutura, linguagem e abordagem.
A estrutura da comunica��o cient�fica (paper), para apresenta��o oral, engloba: -introdu��o: formula��o do tema, justificativa, objetivos, metodologia, delimita��o do problema, abordagem e exposi��o exata da id�ia central;
-desenvolvimento: inclui exposi��o detalhada do que se disse na introdu��o e fundamenta��o l�gica das id�ias apresentadas; -conclus�o: busca uma s�ntese dos resultados da pesquisa. A estrutura da comunica��o cient�fica escrita, para Medeiros (1997, p. 180), com as adapta��es que se fazem necess�rias, pode ser esta: a) capa; b) folha de rosto: que engloba o nome do congresso (ou evento), local do evento, data, t�tulo do trabalho, nome do autor, credenciais do autor; c) resumo: s�ntese do trabalho. Pode aparecer entre o t�tulo e o texto, ou ao final do trabalho; d) conte�do: introdu��o, desenvolvimento, conclus�o (Conforme a apresenta��o oral); e) refer�ncias.
 
1.2 - Position paper
A realidade e a educa��o moderna n�o podem aceitar mais aquele aluno que simplesmente decora textos para tirar notas boas e que simplesmente re�ne um amontoado de id�ias de outros autores.
Pelo contr�rio, hoje, exige-se que um aluno saiba ler e interpretar, mas que, sobretudo, tamb�m questione e se posicione diante da realidade e do que � dito e apresente suas pr�prias id�ias. Isso � sinal de maturidade intelectual.
� nessa linha de racioc�nio que se situa o position paper. Atrav�s dele, o educando desenvolve sua capacidade de reflex�o e criatividade diante do que est� escrito (livro, artigo, revista, jornal, etc.), diante do que � apresentado (palestra, congresso, semin�rio, curso, etc.) e tamb�m diante do que pode ser observado numa realidade (empresa, projeto, entidade, viagem de estudos, etc.).
� bom acentuar que n�o se trata de um relat�rio ou resumo. � uma reflex�o original, em que o educando deixa de ser um receptor passivo e passa a ser um sujeito cr�tico e ativo na constru��o de novos conhecimentos.
Como a pr�pria palavra pressup�e, o position paper � uma �posi��o�, do pr�prio autor, mas � tamb�m o posicionamento de outros autores sobre o assunto. Por isso, este tipo de trabalho exige uma revis�o bibliogr�fica, ou seja, a pesquisa de estudos j� efetuados por outros autores. A estrutura do position paper pode ser assim disposta: a) capa; b) folha de rosto; c) sum�rio; d) introdu��o: objetivo, delimita��o, metodologia; e) revis�o bibliogr�fica: sobre o assunto (no m�nimo dois outros autores); f) reflex�o e posicionamento: do autor sobre o assunto; g) conclus�o; h) refer�ncias.
 
1.3 - Short paper ou issue paper
A pr�pria tradu��o destes termos j� oferece uma base conceitual para este tipo de trabalho: pequeno, conciso, problema crucial, quest�o, tema. Para entender melhor, basta pegar um exemplo pr�tico: diante de um texto ou realidade observada, sempre ou quase sempre aparecem certas singularidades ou partes mais espec�ficas, o que significa afirmar que se pode discorrer apenas sobre uma destas partes.
A decis�o sobre qual ponto espec�fico abordar pode ser definida pelo professor, que pode, tamb�m, deix�-la a crit�rio do aluno.
Deve ficar evidente, no entanto, que o fato de o short paper ou issue paper ter uma abrang�ncia menor em termos de abordagem, n�o significa dizer que o conte�do deva ser tratado com menor profundidade. Pelo contr�rio: a delimita��o do tema propicia o aprofundamento do conte�do.

Estrutura do short paper ou issue paper:
a) capa;
b) folha de rosto;
c) introdu��o (1� par�grafo): objetivo, delimita��o (nesta � muito importante situar o objeto espec�fico de reflex�o dentro do contexto geral em que esta foi delimitada); d) desenvolvimento: posicionamento, avalia��o, questionamento do autor em rela��o ao ponto espec�fico que foi abordado; e) conclus�o (�ltimo par�grafo): s�ntese concisa das principais id�ias defendidas no desenvolvimento do trabalho;
f) refer�ncias.